Recebi o diagnóstico: o que fazer?

“Não somos um diagnóstico. Precisamos lembrar os médicos e profissionais da saúde, sempre que possível, que não tem um diagnóstico sentado na cadeira, mas uma pessoa”, orientou Alessandra de Souza, do blog Farmale. Mas é importante lembrar que, apesar de a doença ser o assunto de todas as conversas quando alguém recebe o diagnóstico, com o tempo isso vai passar e a vida vai retomar seu rumo normal. Duas dicas importantes: não procurar a cura e aceitar a doença. Também é importante procurar informações confiáveis – como as que a ABCD, o GEDIIB, as associações, os médicos e até as universidades disponibilizam – e filtrar informações que surjam de outras fontes, sempre consultando e compartilhando com o médico e os profissionais da saúde para evitar riscos.