Coluna do Cólon

 

 

Remicade para colite ulcerativa

Finalmente! Depois do lançamento, em 1998, do Infliximabe, uma terapia biológica que melhorou ­muito a qualidade de vida dos pacientes de Crohn, agora é a vez de quem tem colite ulcerativa ficar esperançoso com este tratamento. É que o FDA (Food and Drug Administration), dos Estados Unidos, o órgão responsável pelos medicamentos no mercado america­no, aprovou o uso do Remicade para os casos de colite ul­cerativa, de moderada a severa. “Os pacientes com esta doença vão se beneficiar muitíssimo”, ­comemorou o Dr. Jerome A Boscia, vice-presidente de Pesquisas Clínicas e Desenvolvimento da Centocor, o fabricante do Remicade.


Proteína estimulante


As informações ainda são precárias, mas já se sabe que está sendo desenvolvido por uma empresa america­na um novo medicamento, o NU206, para os portado­res de doenças inflamatórias intestinais. “Trata-se, na ver­dade, de uma proteína específica para estimular a ação protetora da célula epitelial, o que gera muitas implicações na DII”, explica o Dr. Adérson Damião, gastroenterologista do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Segundo afirma o Dr. Damião, hoje o tratamento da doença inflamatória intestinal baseia-se essencialmente no controle da inflamação. Mudar o foco do tratamento no sentido de forti­fi­car ou incrementar a função de barreira exercida pelas células epiteliais é uma estratégia muito ­interessante. “Foi-se o tempo em que pensávamos que a célula epi­te­lial era uma mera observadora dos processos imu­no­ló­gi­cos que ocorrem ao seu redor”, diz Damião. “Hoje sabemos que ela participa ativamente desses processos, apresentando antígenos e produzindo mediadores imunológicos além das suas reconhecidas funções de proteção. Melhorar sua função e atuação, certamente trará benefícios para o tratamento da doença inflamató­ria intestinal.” Já existem alguns trabalhos ­experimentais em seres humanos com agentes desse tipo (o TGF-beta, por exemplo). Há inclusive, dietas especializadas conten­do TGF-beta. A empresa pretende entrar na fase de ­testes pré-clínicos com o NU206 em breve. Vamos aguardar.